quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Maneiras poderosas de demonstrar amor aos seus filhos



  •  Abrace, elogie, beije, passe um tempo junto para conversar, procure viver o amor que diz sentir. Todo mundo gosta de presentes, no entanto atitudes como as citadas tem um valor mais sólido e poderoso;
  • Quando errar ou exagerar nas palavras, seja humilde e peça desculpas. Pais não são perfeitos. Ninguém é perfeito e se mostrar superior a um filho poderá apenas afasta-lo de você. Nossas dificuldades e fraquezas quando demonstradas nos aproximam mais um do outro do que uma aparência de superioridade.
  • Em filmes antigos é comum a cena de pais correndo no quintal com seus filhos, passeando no parque ou apenas lendo uma historinha antes de dormir, o que houve que não vemos isso em nosso lar? As coisas boas deveriam continuar ... Vamos resgatar isso?
  • Escute seu filho, não apenas finja estar ouvindo enquanto prepara um sermão;
  • Filhos são heranças de Deus. O Senhor confiou a você o cuidado deles, então assuma essa missão tão linda que nem todos tem o privilégio de ter.

-> E lembre-se: Filho não se perde na rua, geralmente filho se perde em casa.

segunda-feira, 11 de março de 2013

A Língua Portuguesa nos Currículos de Final do Século

Marildes Marinho

     O texto faz uma discussão sobre as propostas curriculares para o Ensino da Língua Portuguesa, no final do século XX, tendo como objetivo a explicitação da concepção de Língua e de gramática.
·        Condições de leitura de um texto curricular: Uma perspectiva de análise.

    Ao fazer uma análise curricular é importante observar não apenas os conceitos e as definições teórico – metodológicas, mas deve-se também dar atenção a duas perspectivas gerais que são:
Ø As influências internas: geradas pelo desenvolvimento dos estudos e pesquisas na área específica.
Ø As influências externas: do contexto político e social.


·        Resumindo uma longa História da Disciplina de Língua Portuguesa.

      Ao fazer uma retrospectiva do componente curricular da Disciplina de Língua Portuguesa, Magda Soares 1996, aborda a relação entre produção de material didático, como o livro didático, o perfil do professor e do aluno em diferentes períodos da história.
     Ela ainda afirma que nos anos 50, com as mudanças na sociedade brasileira, ocorreu a abertura da escola para a classe trabalhadora, surgindo como o resultado de um movimento.
    Nos anos 60, a seleção de professores de Português passou a ser menos rigorosa devido ao aumento no número de alunos matriculados no Ensino Fundamental e Médio.
     Com relação aos conteúdos da Língua Portuguesa surge no século XIX a preocupação com a língua oral e a língua escrita, pois atualmente, para que uma pessoa seja considerada alfabetizada, de forma a compreender todos os tipos de textos, esta deve dominar os dois tipos de linguagem. Com isso a autora aborda a questão da Gramática permanecer distante da leitura e da escrita desde o século XVI.
       Magda Soares diz:
“... mesmo nos momentos em que se elege o texto como objeto de estudo, a gramática é um conteúdo autônomo e ao qual se da maior ênfase. Até hoje, quando se tenta integrar as três áreas básicas da disciplina _ leitura, produção de textos e gramática _ nos livros didáticos, a gramática se impõe altiva e autônoma.” (pag. 47)

·         Da forma de Organização das Estratégias de Leitura

      Na produção de um texto, a organização é fundamental. E ao analisar a estrutura global de um currículo, deve dar atenção aos pressupostos teóricos, objetivos, conteúdos, metodologia e avaliação. O problema está em encontrar nisso um significado consensual, diz Marildes Marinho.

·        Concepção de Língua e de Gramática

     A concepção de Língua não deve, segundo a autora, ser entendida apenas como interação, como aquela capaz de suprir as limitações de uma prática pedagógica. Porque apesar de poder observar uma diversidade de concepções sobre a língua, não é possível defini-la de forma clara.
·        A Escrita na Escola: Ler e Escrever para Quê?

Objetivo: “Levar o aluno ao domínio da norma padrão, principalmente em sua modalidade escrita, sendo esse domínio a condição prévia para o exercício da cidadania, sobretudo para o aluno de classe social baixa.” (pag. 70)
Sendo assim, é possível entender que o acesso à norma culta pode possibilitar uma ascensão social, de maneira individual, e transformação social e política, no coletivo.

·        O texto É e não É Pretexto.

      Marildes Marinho afirma neste tópico que o texto tem sido usado apenas como um pretexto para o estudo da gramática ou de recursos literários. E questiona o porquê não é proposta nas orientações curriculares, uma análise do texto, dando a devida importância a suas condições de produção. Nesse sentido é possível concluir que existe grande dificuldade em usar o texto como o recorte linguístico básico no processo de ensino aprendizagem.

·        Variação Linguística e Relação Língua Oral / Língua Escrita.

Variação Linguística: Polarização entre o dialeto popular e o dialeto padrão.
     Tem se entendido que a noção de dialeto padrão e a escrita são sinônimos, dando a escrita uma característica de uniformidade, enquanto a oralidade sofreria variações.
 
     É no período de alfabetização que ocorre a mediação da oralidade para a construção de conhecimentos e hipóteses básicas sobre o funcionamento da escrita. Nesse momento o professor torna-se o escriba do aluno, dando a ele a possibilidade de através da leitura construir um conhecimento sobre a escrita.

·        A Avaliação: Um final Lacônico

    Neste último tópico a autora afirma que a avaliação tem como pressuposto fundamental, a consideração do processo como mais importante do que o produto, teoricamente.
   Apesar de ainda se ter duvida de como avaliar o processo de aprendizagem da Língua Portuguesa, utiliza-se a produção de texto de forma individual e coletiva. E a outra maneira de se avaliar que é representativo nos currículos, sugere uma avaliação do texto escrito, diariamente.
    Com relação à avaliação da leitura, as orientações curriculares demonstram respeitar a diversidade de leituras. Sugerindo-nos avaliar com debates, representações, elaboração de resenhas, etc.





sábado, 9 de março de 2013

SEQUENCIA DIDÁTICA


GRUPO: Angélica Aquino, Aryanna Garcia, Daniela Araújo, Danielle Barcellos, Júlia Carvalho e Vanessa Almeida.

Esta Sequência Didática é essencialmente ligada à Área de Conhecimento de Língua Portuguesa, porém permitindo o encaixe de outras áreas, que chamaremos transversais. 
DISCIPLINA: Língua Portuguesa.

TEMA CENTRAL: O Carnaval.

AVALIAÇÃO: Será realizada de forma processual e continua.

ESCOLHA DO TEMA: Devido ao período em que o Brasil comemora o Carnaval, mais especificamente os estados de Rio de Janeiro e São Paulo, que fazem parte da região sudeste, a qual residimos, entendemos que este seria um tema acessível e interessante para o trabalho com os alunos.

OBJETIVO GERAL: O aluno deverá aprender a importância da oralidade, para compreensão e transmissão do conhecimento. Dividimos a sequência de modo que ficasse fácil a compreensão da mesma, pelos dias de suas aplicações.

TURMA: 4° ANO.
FAIXA ETÁRIA: 9 a 11 ANOS.
DURAÇÃO: UMA SEMANA DE AULA (5 DIAS) .


1° DIA
TEMA DA AULA
TEMA TRANSVERSAL
GÊNERO
EIXO
Segunda – feira
A História do Carnaval
História e Português
Narrativo
Prática de Leitura

Duração da Atividade: 1 hora e 30 minutos
Objetivos da Aula:
·         Contar uma breve história sobre o Carnaval e suas características,
·         Trabalhar o contexto intercultural do Carnaval,
·         Produção Textual através de imagens escolhidas pelos próprios alunos sobre o Carnaval,
·         Compreensão Textual,
·         Aprimoramento da Escrita reflexiva,
·         Trabalho com gênero descritivo.

Procedimento Metodológico:
1° Momento: Após todos os alunos entrarem em sala e se organizarem será feito um Ditado de palavras referentes ao tema carnavalesco, como exemplo: SERPENTINA, FOLIA, MÁSCARA, DESFILE, JURADOS, FESTA e etc.
2° Momento: Após o ditado ser corrigido, é a hora de questioná-los sobre as palavras que eles acabaram de escrever, onde o professor irá explicar cada palavra e seu significado.
3° Momento: É o momento de contar-lhes a história que o professor trouxe a respeito do Carnaval:
“O carnaval é considerado uma das festas populares mais animadas e representativas do mundo. Tem sua origem no entrudo português, onde, no passado, as pessoas jogavam uma nas outras, água, ovos e farinha. O entrudo acontecia num período anterior a quaresma e, portanto, tinha um significado ligado à liberdade. Este sentido permanece até os dias de hoje no Carnaval.
O entrudo chegou ao Brasil por volta do século XVII e foi influenciado pelas festas carnavalescas que aconteciam na Europa. Em países como Itália e França, o carnaval ocorria em formas de desfiles urbanos, onde os carnavalescos usavam máscaras e fantasias. Personagens como a colombina, o pierrô e o Rei Momo também foram incorporados ao carnaval brasileiro, embora sejam de origem européia.
No Brasil, no final do século XIX, começam a aparecer os primeiros blocos carnavalescos, cordões e os famosos "corsos". Estes últimos, tornaram-se mais populares no começo dos séculos XX. As pessoas se fantasiavam, decoravam seus carros e, em grupos, desfilavam pelas ruas das cidades. Está ai a origem dos carros alegóricos, típicos das escolas de samba atuais.
No século XX, o carnaval foi crescendo e tornando-se cada vez mais uma festa popular. Esse crescimento ocorreu com a ajuda das marchinhas carnavalescas. As músicas deixavam o carnaval cada vez mais animado.”

4° Momento: Com o término da leitura do texto a turma ficará livre para comentar sobre experiência, vivência, trocar informações sobre a turma, destacar as características marcantes no carnaval, falar sobre fantasias e músicas. Também será abordado uma breve história sobre os ritmos ouvidos no carnaval (samba, frevo, axé, maracatu, afoxé, forro entre outros) que depois serão mais bem trabalhados na oficina ao término da semana.
5° Momento: A última atividade trabalhada na sala de aula será a exposição de várias fotos sobre o carnaval em cima da mesa da professora em questão aonde cada aluno irá escolher uma foto e de acordo com a foto escrever uma frase descrevendo a foto.

2° DIA
TEMA DA AULA
TEMA TRANSVERSAL
GÊNERO
EIXO
Terça – feira
Marchinhas de Carnaval
Música
Canção
Prática de oralidade e produção textual

Duração da Atividade: 1 hora e 30 minutos
Objetivos da Aula:
·         Utilizar uma canção de carnaval (as marchinhas) para trabalhar a oralidade em sala de aula,
·         Fazer com que eles observem através do texto; a importância da língua,
·         Explicar para os alunos a mensagem da música, e deixar cada um fala o que entendeu para desenvolver sua comunicação em grupo.
Procedimento Metodológico:
Rodinha 1° Momento: Explicar que no século XX, o carnaval foi crescendo e tornando-se cada vez mais uma festa popular. Esse crescimento ocorreu com a ajuda das marchinhas. Onde as pessoas, brincavam o carnaval formando blocos de amigos que saíam cantando, tocando e dançando pelas ruas da cidade.
Trabalhando Com o Gênero Textual - Essas músicas tinham letras fáceis e alegres para agradar os foliões, depois dos anos 60 começaram a ser substituído pelo samba enredo, outro gênero de música tocado pelas escolas de samba.
2° Momento: Ajudá-los a compreender o texto e tirar as dúvidas existentes, comentar sobre as estações do ano, fala sobre a importância da hidratação no verão e principalmente nos período de festa do carnaval.
3° Momento: Escrever a música no quadro e pedir para copiar no caderno.
4° Momento: Cantar para os alunos a marchinha ensinando o ritmo e posteriormente convidá-los a cantar junto, fazendo com que todos os alunos participem.
Marchinha de Carnaval Utilizada:
ALLAH-LÁ-Ô
HAROLDO LOBO - 1940
Allah-la-ô, ô ô ô ô ô ô
Mas que calor, ô ô ô ô ô ô
Atravessamos o deserto do Saara
O Sol estava quente, queimou a nossa cara
Allah-la-ô, ô ô ô ô ô ô
Mas que calor, ô ô ô ô ô ô...
Viemos do Egito
E muitas vezes nós tivemos que rezar
Allah, Allah, Allah, meu bom Allah
Mande água pro iôiô
Allah, meu bom Allah,
Perguntar a partir desta canção, quem conhece mais marchinhas de Carnaval e convidá-los a cantá-la.
Momento do Intervalo: Cantar a música “É hora de lavar as mãos”. Fazer a fila em ordem crescente de tamanho do aluno, para lavar as mãos. Em seguida, todos organizam seu lanche na mesinha para comerem.
Volta Calma (Depois do intervalo):
Todos sentados, ainda em círculo no chão. Ouvir a explicação da professora da atividade que eles farão no momento.
A professora irá distribuir pratos de papelões para os alunos decorarem recortes em jornais, pinturas ou desenhos sobre o carnaval e depois cada um escrever uma mensagem de carnaval no mural da sala, de acordo com a sua decoração no prato.     
Exemplo:
http://3.bp.blogspot.com/_pcg250gK2co/SY87v1lSfwI/AAAAAAAABo8/hwMII1HTCdo/s400/m%25C3%25A1scaras%5B1%5D.jpg
Após a atividade os alunos deverão arrumar a sala juntos, guardando os materiais utilizados.

Atividade para Casa:
Pesquisar com a família e escrever uma marchinha de carnaval para ser apresentada na Oficina que será realizada no 5° dia, sexta-feira. Os alunos devem trazer por escrito e ensinar aos coleguinhas as marchinhas que trouxerem.

Recursos Utilizados na Aula:
 Texto, revistas, jornais, piloto, tinta guache, canetinhas, cola, tesoura sem ponta, material escolar, papelão, pincéis.

Referências Bibliográficas:
3° DIA
TEMA DA AULA
TEMA TRANSVERSAL
GÊNERO
EIXO
Quarta – feira
Longa-metragem RIO (2011)
Cultura
Sinopse do filme
Prática de leitura, prática de oralidade discutindo o texto e produção textual

Duração da Atividade: 2 horas e 30 minutos (Contando o Intervalo)
Objetivos da Aula:
·         Utilizar o filme “Rio” para trabalhar a história do carnaval carioca na produção textual, com o objetivo de identificar o domínio de cada aluno em relação aos padrões da linguagem escrita.
Procedimento Metodológico:
1° Momento: Apresentar às crianças a sinopse do filme em formato de texto e ler junto com eles, explicando que gênero textual é esse, de caráter informativo.
“Rio é um filme em 3D animado por computador norte-americano dos gêneros musical e comédia, produzido pela 20th Century Fox e pela Blue Sky Studios. Dirigido por Carlos Saldanha, o título do filme refere-se a cidade do Rio de Janeiro, local onde é ambientado.
O filme conta a história de Blu, uma Arara Azul macho que é levada ao Rio de Janeiro para se acasalar com uma fêmea. Rio foi lançado no Brasil em 2011 e foi indicado ao Oscar 2012 com “Melhor Canção Original”.
2° Momento: Assistir ao Filme
Duração: 1h 36min
Momento do Intervalo: Ao término do filme os alunos saem para o lanchinho.
Volta Calma (Depois do intervalo):
Os alunos retornam à sala de aula, fazem uma rodinha e vão contar sobre o que viram no filme, o que mais gostaram e o que entenderam.
3° Momento: A professora pedirá que os alunos façam uma produção textual daquilo que acabaram de contar na rodinha. Deixar claro que essa atividade será importante para o planejamento das próximas aulas e vão ajudar todos a escrever com mais segurança. Portanto, os alunos precisam se esforçar para escrever sozinhos, da maneira como sabem. Esclarecendo que ninguém precisa ter medo de errar nesse momento e que é muito importante que ninguém copie o texto do colega.
Recursos Utilizados na Aula:
TV, DVD (sala de multimídia), caderno, lápis e durante esta aula a professora levará pipoca para os alunos comerem assistindo ao filme.

4° DIA
TEMA DA AULA
TEMA TRANSVERSAL
GÊNERO
EIXO
Quinta – feira
Confecção da Lista de material
Artes, Noções de higiene e Noções de organização
Lista
Prática de leitura, prática de reflexão sobre o uso da língua e produção textual

Duração da Atividade: 1 hora e 30 minutos
Objetivo da Aula:
·         Estabelecer junto com os alunos uma lista de material para confecção das máscaras de carnaval.
·         Fazer com que eles adquiram noções de medida, peso, quantidade, cor e forma.
·         Trabalhar também a criatividade e passar valores:
1.      Como trabalhar em grupo,
2.      Respeitar o espaço do colega,
3.      Limpeza e higienização da sala e dos espaços trabalhados.



Procedimento Metodológico:

1° Momento: Dividir a turma em grupos,
2° Momento: Cada grupo vai escolher o material que deseja usar para confecção de suas mascaras e instrumentos,
3° Momento: Criar a lista com os alunos.
Exemplo de Lista:

·         Purpurina
·         Cartolina na cor desejável
·         Glíter
·         Cola colorida
·         Cola Branca
·         Elástico

·                    Lata de leite
·                    Lata de refrigerante
·                    Prato de vaso
·                    Tampinha de garrafa
Cano de P.V.C. cortado


Vamos à Aula!
4° Momento: Confecção das máscaras
5° Momento: Colocando as máscaras para secar
6° Momento: Limpeza e organização da Sala de Aula
Referências Bibliográficas:


5° DIA
TEMA DA AULA
TEMA TRANSVERSAL
GÊNERO
EIXO
Sexta – feira
Língua Portuguesa Essencial
Gramática
Texto

Prática de reflexão sobre o uso da língua, prática de oralidade e produção textual
Duração da Atividade: 1 hora e 30 minutos
Objetivo da Aula:
·         Aumentar o entendimento e assimilação do conhecimento através da leitura,
·         Incentivar e estimular o trabalho em Grupo.
Procedimento Metodológico:
1° Momento: Dentro da sala de aula iremos ler alguns pequenos textos que outras crianças criaram falando sobre o carnaval.
2° Momento: A partir disto, nós iremos produzir nossos próprios textos dividindo a turma em grupos.
3° Momento: Cada grupo ganhará uma caixa com várias palavras pintadas em placas grandes de papelão. Separadamente deverão montar um pequeno texto, que poderá ser de apenas um parágrafo sobre o tema Carnaval, utilizando as palavras que o grupo recebeu.
4° Momento: Ao final, um representante de cada grupo deverá vir à frente da turma e ler o trecho que seu grupo produziu.
5° Momento: As crianças receberam as máscaras que produziram no dia anterior. A professora lembrará a atividade para casa que eles receberam na terça – feira de trazerem as marchinhas de carnaval que aprenderam com seus parentes ou amigos.
6° Momento: Se consistirá no baile de carnaval da turma. Os alunos terão a oportunidade de cantar as marchinhas de carnaval que aprenderam, ensinando-as aos demais colegas e a aula terminará assim, em forma de brincadeira, um grande baile de carnaval.


ANÁLISE DO LIVRO DE LÍNGUA PORTUGUESA


Grupo: Angélica Aquino, Aryanna Garcia, Daniela Araújo, Danielle Barcellos, Júlia Carvalho e Vanessa Almeida.


FICHA TÉCNICA:
Projeto Pitanguá Português                                                        
Editora: Moderna
Série: 2° Ano do Ensino Fundamental 1
Faixa Etária: 7 a 8 anos

Introdução
Objetivo do livro é desenvolver a competência comunicativa, envolvendo a compreensão leitora e a capacidade de escrever com clareza e expressar-se oralmente de forma adequada. Por isso o projeto Pitanguá organiza-se essencialmente em torno de dois eixos principais, o trabalho de leitura e produção de diversos tipos textuais e programas sistemáticos (desenvolvidos de modo claro). Ele explora os conhecimentos prévios de cada aluno facilitando a conexão entre o conteúdo novo e tudo o que o aluno já conhece, trazendo uma grande variedade de assuntos e situações que estimulam o aluno a observar, interpretar, discutir idéias e também o senso crítico, além de seu conhecimento em Língua Portuguesa.
·         Como é feita a divisão do livro?
O livro é dividido em nove unidades que correspondem aproximadamente aos noves meses letivos e cada unidade é subdividida em duas partes, estabelecendo um ritmo adequado para assimilação e a introdução de novos conteúdos, facilitando o trabalho do professor. Ao invés de sumário, o livro se utiliza de um “Mapa de Conteúdos”, que permite a visualização das relações entre conteúdo e possibilidades de aprendizagem.  A primeira parte de cada unidade contém cinco tópicos:
1.      Leitura,
2.      Estudo do texto,
3.      Produção de texto,
4.      Estudo da língua e
5.      Oficina de criação.
A segunda parte è dividida também em outros cinco tópicos:
1.      Leitura,
2.      Estudo do texto,
3.      Texto expositivo ou instrucional,
4.      Estudo da língua e
5.      Projeto em equipe.
A organização é muito clara, selecionada e de fácil manuseio à informação, o conteúdo segue um critério rígido de fácil compreensão, de modo que alunos que já sejam totalmente leitores nem solicitem à ajuda do professor, podendo sozinho responder os exercícios.
·         A Compreensão Leitora
            Prioritariamente o livro apresenta uma estrutura que possibilite a melhor compreensão por parte do aluno visando desenvolver a competência para compreensão de diferentes tipos de textos com os quais terá contato durante sua vida, variando o máximo possível. Podemos destacar cinco propostas do livro em relação à compreensão leitora dos alunos, são elas:
1.      Leitura de uma grande variedade de tipos textuais, em todas as áreas, abordando todos os gêneros.
2.      Estratégias de leitura (identificando diferentes propósitos, significando e formulando hipóteses, e compreendendo os textos),
3.      Leitura de textos expositivos sem grandes dificuldades,
4.      Enriquecimento do vocabulário e
5.      Desenvolvimento de atitudes favoráveis à leitura.
Não basta que os alunos aprendam a ler, é necessário que gostem de ler. E para estimular a leitura, o livro selecionou alguns textos atraentes e acessíveis, além de textos não-literários muito claros com temas interessantes ao aluno, contando com um programa sistemático de ampliação de vocabulário, graças as diferentes opções de tipos e gêneros textuais.
·         Exemplos de Tipos de Texto
No livro encontramos textos narrativos (contos, lendas, crônicas, mitos), textos informativos (bilhete, recado, reportagens), textos descritivos, textos expositivos, argumentativos e instrucionais, quadros programáticos, gráficos, mapas, canções, poesias, poemas, tabelas, quadrinhos e etc. Apresenta também uma série de elementos que compõem os diversos gêneros para que o aluno busque ajuda para a produção de seu próprio texto, podemos separar em quatro partes. Primeiro o aluno lê o texto, depois analisa, conta a história e finalmente escreva a sua visão.
Os textos expositivos são freqüentes em livros didáticos com a finalidade expor alguma coisa seja ela uma opinião ou ponto de vista, os argumentativos tem por objetivo persuadir o aluno se baseando em argumentos, já os instrucionais trazem orientações para a realização de algo ou alguma tarefa. Após a leitura desses tipos textuais o aluno precisa organizar as informações antes de produzir seu próprio material, nesse caso ele contará com a ajuda da professora.
Textos poéticos contribuem para a consolidação do processo de alfabetização, utilizando recursos sonoros e lingüísticos nos poemas e poesias, desenvolvendo também a sensibilidade criativa, onde os alunos podem explorar as oficinas de criação que foram citadas na divisão das unidades do livro.
Gramática e ortografia obviamente estão listadas e presentes no livro, mas ele não foca somente o ensino das duas, foca também a capacidade criativa do aluno e se preocupa com o gosto de seu aluno pela leitura. Escrever corretamente é uma habilidade essencialmente prática, a observação reflexiva, a análise das informações e o reconhecimento das características de um texto definitivamente faz do aluno um diferencial.dessa forma, o livro se preocupou em oferecer ferramentas eficientes para esse processo.
·         O Vocabulário
O vocabulário do aluno é ampliado através da leitura e das trocas informativas, por isso os textos trazem glossários que facilitam a leitura do aluno, dessa forma ele conhece novas palavras e pode começar a fazer uso das mesmas em suas produções textuais. Além disso, o livro também conta com uma pequena parte que contém:
§  Sinônimos e antônimos,
§  Vocabulário contextualizado,
§  Vocabulários temáticos,
§  Trabalho complementar com dicionário,
§  Anexos,
§  Textos suplementares e
§  Jogos que estimulam a leitura.

·         Projeto em Equipe
Em cada bimestre o livro apresenta um projeto de trabalho em equipe com o objetivo de produzir algum material como, por exemplo, um cartaz ou um mural para que os alunos possam aplicar seus conhecimentos adquiridos naquela unidade e desenvolvam diferentes métodos de trabalho. Eles descobrem o que fazer depois de que maneira fazer e por fim avaliam seus trabalhos e produções.
·         Considerações:
            Em suma, de acordo com os textos que estamos estudando ao longo da disciplina, entendemos que o livro contribui sim para a melhor aprendizagem dos alunos, não o consideramos como um livro de abordagem tradicional, porque encontramos diversos aspectos que estimulam a curiosidade dos alunos e o interesse dos mesmos pelas questões apresentadas no livro. A forma com que o livro aborda as temáticas é instigante e estimula o aluno a querer descobrir mais, dando-lhe o prazer da aprendizagem e segurança para realizar sozinhos algumas tarefas.os textos usados são ricos no vocabulário e divertidos, não são muito extensos e dessa forma o aluno não se entedia na leitura, fator crucial para o professor que quer despertar em seu aluno a vontade de ler. Aplicaríamos este livro aos nossos alunos, sem sombra de dúvidas, acreditando que ele auxilia o trabalho do professor e satisfaz todas as necessidades do aluno.